______________________________________

.

.

.

sábado, 4 de janeiro de 2014

Chegando ao Chile - Travessia pelos Andes



02 de janeiro de 2014
Rio Mendoza, ao fundo - Ruta 7
Hoje será um dos pontos principais da viagem. Nosso projeto é atravessar para o Chile por cima da Cordilheira dos Andes, utilizando o caminho antigo (usado por Charles Darwin). Já conhecemos o caminho tradicional, que passa pelo túnel, por baixo da montanha, e desta vez seguiremos por cima, pelo Cerro Cristo Redentor.
Aproveitamos para completar o tanque do Garça e saímos de Mendoza às 9h30min, pegando a Ruta 40, passando por alguns vinhedos da região de Lujan de Cuyo e depois, em sentido ao Chile, pela Ruta 7, seguimos em direção a Potrejillo e Uspallata.



Compramos alguns lanches em Uspallata e encontramos uma equipe que está mapeando o trajeto do próximo Rally Dakar.

80 km depois de Uspallata paramos para rever a Puente del Inca (2700 msnm) - distante 190 km de Mendoza, que percorremos em aproximadamente em 2h30min - e que é uma formação rochosa natural onde a água tem grande concentração de enxofre e sais minerais, o que deixa suas águas com tons amarelo ocre e, com o passar dos anos, criou a ponte natural que virou um monumento natural muito visitado na região. Nessa localidade encontra-se artesanatos executados com pedras semi-preciosas, couro, ossos, madeira, enfim um a grande gama de materiais retirados dessa região. Já estivemos no local em 2009/2010 e notamos, desta vez, que a quantidade de artesãos, turistas e artesanatos diminuiu consideravelmente, motivada (talvez) pela queda do poder aquisitivo dos turistas em geral.



O vento estava forte e a temperatura já havia baixado bastante, fazendo com que utilizássemos alguns agasalhos. De lá, mais 20 km até a entrada do Cristo Redentor que fica a esquerda da Ruta, antes da entrada do túnel que leva à Aduana.

A partir daí acabou a moleza e o asfalto. Agora é só subida íngreme em estrada estreita e pedras soltas, até atingirmos a altitude de aproximadamente 4000m, onde alcançamos o cume e está localizada a estátua do Cristo Redentor dos Andes. Lá o vento estava intenso, de uns 100km/h, onde mal podíamos ficar em pé. Difícil, mesmo, foi bater as fotos segurando as bandeiras do Brasil e de Barra Velha. A temperatura no momento era de 4°C, mas a sensação térmica estava negativa!
Subida íngreme

video

Parede de gelo, derretendo, quase no Mirante


Iniciamos, então, a descida pela famosa estrada das 360 Curves, entrando no Chile. A paisagem é deslumbrante e paramos muitas vezes para admirá-la e tirar fotografias. Cada curva era mais bonita que a anterior. O único a se ressentir com os efeitos do soroche foi o Douglas, mas nada grave, apenas falta de ar, queda de pressão... Paramos para fazer nosso lanche na metade da descida, próximo de um abrigo de montanha, utilizado pelos esquiadores e exército em caso de emergência.

Sobrevoo de condor, em cima do Garça


Apesar da descida ser tranquila, as condições do piso são bastante instáveis e exigindo baixa velocidade e cuidado redobrado em todas as curvas para evitar acidentes. Encontramos "alguns outros malucos" que também escolheram essa rota para aventurar-se entre os dois países.

Sem maiores problemas, descemos até reencontrar o asfalto e seguir pelo 2º túnel até a Aduana Binacional: Argentina/Chile para fazer os trâmites de ingresso nesse último. Preenchemos a papelada necessária, pois o Chile exige a importação temporária do veículo, bem como a guia individual de cada passageiro. Na revista da Aduana, infelizmente nos foram "confiscadas" as nozes, os pistaches e as ameixas secas que havíamos trazido, o que nos surpreendeu, pois na nossa última vez no Chile não houve problemas com esses itens.


Tudo resolvido, curtimos novamente a também famosa descida dos Caracolles (que a continuação da sequência de curvas asfaltadas) até Los Andes. Não podíamos deixar de rever El Portillo, a famosa estação de esqui do Chile que fica no meio da descida e lá, encontramos muitos brasileiros, alguns quase nossos vizinhos - Carlos e a esposa, naturais de São Joaquim (SC).



Percorremos mais 120km e chegamos a Santiago aí pelas 17h30min, como a cidade é enorme e existem diversas ruas com o mesmo nome, o Garmin nos levou ao endereço errado!!! Depois, na segunda tentativa, chegamos ao nosso destino, onde já tínhamos reserva paga para os dois próximos dias: Socavon Suítes (facebook/SocavonSuites e socavon.suites@gmail.com). Conversamos com o Guido (que nos recebeu) e decidimos ficar um dia a mais, pagando U$62 para nós quatro, por mais uma noite.

Saímos a pé para procurar o caixa automático (dentro da estação de metrô Santa Lucia) e, mais umas 7 quadras até o Supermercado Unimarc, onde compramos nossos cafés da manhã e jantares, visto que estamos hospedados em um apart hotel.

Compras feitas, jantar pronto, ...agora é só dormir para mais um grande dia, amanhã!!!! Boa noite!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Grato por visitar o ViagemFamilia. Críticas, elogios e quaisquer comentários são desejados, desde que feitos em terminologia ética e adequada.

SE FIZER QUESTIONAMENTOS POR FAVOR DEIXE ALGUMA FORMA DE CONTATO PARA POSSIBILITAR A RESPOSTA, COMO E-MAIL, POR EXEMPLO