Viagem Família______________________________________

.

terça-feira, 1 de setembro de 2020

Passagem pela Eslováquia (SK)

Vista de Bratislava, ao fundo, rio Danúbio

Temos que aproveitar o verão e seguir para leste, tentando percorrer o máximo de países europeus antes de começar a esfriar. Este ano de 2020 está atípico, pois com o Covid-19 muitas fronteiras abrem e fecham a cada 15 dias, havendo mudanças de orientação e permissão de trânsito periodicamente. Com o outono se aproximando, estas regras de ir-e-vir estão se alterando e já há algumas sinalizações de que pode haver fechamento de fronteiras entre países novamente!!


Deixamos a Áustria para trás e como Viena (capital da Áustria e perto de onde estávamos) é muito perto da capital da Eslováquia, Bratislava, - apenas 60 km - nosso primeiro destino neste pequeno país eslavo foi sua capital. 

BRATISLAVA

Castelo de Bratislava

Semelhantemente a outros países que visitamos, a maior parte da população da Eslováquia (contabiliza aproximadamente 5,5 milhões de habitantes) está na capital, contando com aproximadamente 430 mil habitantes. A cidade é cortada pelo Danúbio e o país também encontram-se os Montes Cárpatos. 

Rio Danúbio, corta a cidade ao meio


Foi fundada no ano 907, com o nome Brezalauspurc (Castelo de Braslav), depois de uma Batalha entre o exército da Baviera e os húngaros da etnia magiar, que ganharam o conflito, e este território passou a fazer parte da Hungria. Ao longo de sua história teve muitos outros nomes: em grego chamou-se Istrópolis (Cidade do Danúbio), Pressburg (e variações) em italiano, alemão, inglês até que em 1919 passou a chamar-se Bratislava, apelidada gentilmente de Blava pelos eslovacos. 





Porém muito antes disso, tem-se documentação que comprova que o primeiro assentamento humano na região é datado de 5000 a.C. Por volta de 200 a.C. os celtas fundaram uma cidade fortificada onde estabeleceu sua fábrica de moedas, chamadas de biatecs. Entre os séc I e IV de nossa Era, Bratislava foi dominada pelos romanos que a usavam dentro do sistema de defesa de fronteiras, introduzindo a viticultura, tradição mantida até a atualidade. 


Rolls Royce trazendo a noiva: casamento chique!!!

Os eslavos chegaram numa onda de migração por volta dos séc. V e VI, estabelecendo o primeiro império de Samo da Boêmia (623-648). A cidade foi designada como capital da Hungria pelo grande desenvolvimento e localização estratégica privilegiada por volta de 1536, onde fazia parte da Monarquia dos Habsburgo. Após a monarquia Austro-Húngara (1867-1918), a Eslováquia, a Boêmia e a Morávia formaram um estado único, conhecido como Tchecoslováquia. 

Vista da cidade

Perambulando pelas ruas da cidade





Findada  a 2ª Guerra Mundial, o território passou a ser ocupado pelos soviéticos e o regime comunista. Apenas em 1989, durante a Revolução de Veludo, a Tchecoslováquia tomou sua independência e 3 anos mais tarde, dissolveu-se em dois países: Tchéquia e Eslováquia. 

O Castelo de Bratislava está localizado a 85 m acima do rio Danúbio e pode ser visto da parte baixa da cidade. Ao cruzarmos o rio, foi para lá que nos dirigimos. Seguimos orientações do Google Maps e deixamos o carro a algumas quadras de distância, num P público gratuito. 

Castelo de Bratislava



Jardins do Palácio


No local onde hoje está o Castelo havia uma acrópole do povo celta e a construção atual se iniciou por volta do séc. X. Apenas em 1430 a fortaleza foi eregida em estilo gótico, depois transformada para o estilo renascentista (em 1562) e finalmente em barroco (1649), tendo sido posteriormente destruído em 1811 e reconstruído após 1950 ao estilo da Rainha Maria Teresa. 


BANSKÁ BYSTRICA

Coluna de Maria em primeiro plano e Torre do relógio, ao fundo

Nem em sonhos imaginávamos conhecer a cidade de Banská Bystrica, localizada no centro do país, entre as cidades de Bratislava e Košice, na bacia do rio Hron e cercada pela cadeia de montanhas de Tatras Baixos. 

Igreja de Santa Elizabeth, construída em 1303 e reconstruída em estilo gótico em 1877

Local onde havia mineração de ouro na Idade Média, a cidade possui numerosos monumentos de grande riqueza histórica e artística. Passeamos pelo seu centro histórico após nos registramos num a poucos metros da praça central da cidade. 

                            

Vocês devem estar se perguntando: "como assim, não vão acampar?" Pois é, tivemos um problema na ventoinha do radiador do Garça (ela derreteu!!) e precisamos esperar na cidade para efetuar a troca no dia seguinte, visto que chegamos em Banská bem no feriado do Dia da Constituição!

Preparando a janta: capeletti 


Aproveitamos o tempo para conhecer a cidade e seus prédios históricos, bem como o Museu da SNP Memorial, com a exposição de equipamentos bélicos da 2ª Guerra Mundial ao ar livre.  

Avião russo

Placa indicativa do avião acima!

                             

SNP Memorial - Museu e Memorial aos ex-Combatentes da 2ª Guerra Mundial



Bunker usado durante os combates

Blindado russo: T34/85






Peças de artilharia usados durante a guerra

Memorial às Vítimas e ex-Combatentes


Trem blindado


A Torre do Relógio, datada do séc XVI, estava fechada para visitação, mas de sua torre de 20m de altura (101 degraus) tem-se uma vista bem bonita da cidade e arredores. Ela tem como principal atração o fato de ser levemente inclinada - 68 cm! 

Torre do Relógio


A Coluna de Maria é uma estátua de 2,45m instalada no meio de uma plataforma poligonal e marca o fim de uma praga, em 1719. Foi feita por um artista anônimo e é uma homenagem à Virgem Maria.

Coluna de Maria

Vista da praça central, com a Torre do relógio ao fundo

Obelisco Negro: datado de 1945, homenagem aos soldados Russos e Romenos que morreram pela libertação de Banská Bystrica durante a 2ª Guerra Mundial






                              

O Barbican é uma fortificação e castelo construídos em 1512 e inclui a torre da cidade. Hoje abriga um restaurante e café. 

Barbican, com torre da cidade, ao fundo

A Igreja da Assunção da Virgem Maria, construída no séc. XIII, é a construção mais antiga da cidade. Em seu interior se encontram esculturas e outros trabalhos em estilo gótico. 

Igreja da Assunção da Virgem Maria

Interior da Igreja, com um dos nichos laterais

                                          
Cemitério e torre da cidade, ao fundo
                                     

A Igreja de São Francisco Xavier é do início do séc. XVIII e é sede da Diocese de Banská Bystrica. Muito próximo dali, fica o prédio da Prefeitura (Town Hall), restaurado recentemente e que mantém o portão original, de 1698. 

Igreja de São Francisco Xavier e a Prefeitura

Town Hall (Prefeitura)

Aqui na cidade fizemos um bom amigo, Peter Meeto, que nos ajudou muito na procura da nova ventoinha do Garça, além de dar ótimas dicas de locais próximos para visitarmos antes de seguirmos viagem. Seu vizinho, Thomaš, foi nosso "anjo" culinário, trazendo sopa e outras delícias da culinária local para provarmos, enquanto o Marcos consertava e adaptava a ventoinha comprada no lugar certo! 

Encaixando a nova ventoinha

A nova ventoinha

Nosso acampamento no quintal de Thomaš



Nosso amigo e "anjo" da vez, Peter Meeto




Entrada (soupe) e prato principal, by Thomaš


Deixamos a cidade e acabamos replanejando o roteiro, pois nossa primeira ideia era cruzarmos da Eslováquia para a Ucrânia. Fomos desestimulados a seguir para lá e, ao invés da Ucrânia, acabamos fazendo a divisa com a Hungria, país que também havia publicado restrições de entrada de turistas em seu território alguns dias antes. 

HRONSEK


Porém, no caminho escolhido, ainda havia um local bem interessante a ser conhecido e que era a igreja de Hronsek, toda construída em madeira, seguindo regras bem rígidas impostas pela corte húngara no séc. XVIII. 




Por ser de denominação luterana, o que infringia a imposição do catolicismo na região, a construção desta igreja não podia ter nenhum elemento de metal (pregos, dobradiças etc), tendo sido feita toda com madeira e encaixes. Construída em forma de cruz, com um comprimento máximo de 23m, largura de 18m de altura de 8 m, não podia ter torre e nem sino e sua entrada não podia ficar de frente para a avenida principal (medidas adotadas pela corte húngara para que ela não se sobressaísse e pudesse atrair novos fiéis). Além disso, havia uma regra de que só seria permitida a sua construção, se esta levasse um ano. Desta forma, a comunidade a construiu do dia 23 de outubro de 1725 até a conclusão da obra, que se deu em setembro de 1726!! 

Regras para a construção da igreja

Infelizmente ela estava fechada para visitação, mas espiamos pela janela e observamos seu rico interior. Este é um Patrimônio da Humanidade tombado pela UNESCO em 2008. 

Deixamos a Eslováquia após 4 dias, com gosto de "quero mais"! Além de termos feito bons amigos na região, ainda há muito o que se conhecer e ver neste país!







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Grato por visitar o ViagemFamilia. Críticas, elogios e quaisquer comentários são desejados, desde que feitos em terminologia ética e adequada.

SE FIZER QUESTIONAMENTOS POR FAVOR DEIXE ALGUMA FORMA DE CONTATO PARA POSSIBILITAR A RESPOSTA, COMO E-MAIL, POR EXEMPLO