______________________________________

.

.

.

terça-feira, 10 de março de 2015

Pensínsula Valdés - Chubut - Argentina

15 de janeiro de 2015
Puerto Madryn - Península Valdés - Puerto Madryn
Punta Pirâmides - loberia
     Como de Pto. Madryn até a Península Valdés tem de se percorrer aproximadamente 53 km até o Istmo Carlos Ameghino e de lá, mais 104 km até Punta Norte ou 100 km até a Caleta Valdés, precisávamos acordar relativamente cedo. Assim sendo, logo após o café da manhã, reunimos o grupo e seguimos até o nosso destino, desta vez sem o casal Abutre (Edu e Luiz) que ficou na cidade por motivos de saúde.


     O ingresso para o Parque Natural tem um custo de P$ 180 por pessoa(estrangeiros), pago em espécie! Portanto, retire dinheiro no banco (não são aceitos cartões de crédito) antes de seguir até a Área Natural Protegida Península
A 20 km do local onde se paga o ingresso fica o Istmo Ameghino - homenagem ao naturalista e paleontólogo nascido em 1865, em Lujan - fica o Centro de Visitantes (www.puertopiramides.gov.ar) onde recomendamos parar para pegar as informações sobre os passeios disponíveis para o dia A duração de cada passeio, as condições do mar e da estrada, bem como informações sobre a visualização de animais são atualizados o tempo todo e informados aos visitantes.  Há também um pequeno museu com ossadas de baleia franca e outros animais marinhos, uma maquete em relevo mostrando a geologia histórica da formação da península e uma loja de conveniências.




Pegando as informações necessárias, descobrimos que neste dia a Punta Delgada (que tínhamos a intenção de conhecer) estava fechada a visitação e portanto, decidimos seguir até a Punta Cantor, onde há uma pinguineira e mais adiante, uns 10 km, uma colônia de elefantes marinhos.

A caminho da Caleta Valdés



     Ver os pinguins assim tão pertinho é muito legal e eles são extremamente simpáticos e receptivos, sendo curiosos e ficando bem perto da cerca que os separa dos humanos! Nessa região a espécie de pinguim encontrada é o Pinguim-de-Magalhães, cuja altura média é de 70 cm e pesando cerca de 6 kg. Como chegamos na época da reprodução, vimos muitos filhotes trocando de plumagem em suas tocas e ninhos construídos no chão em meio a vegetação rasteira.



A maior parte dos espécimes tem na cabeça uma risca branca, que passa por cima das sobrancelhas, contorna as orelhas e se une no pescoço, e uma risca negra e fina na barriga em forma de ferradura. São espécies monogâmicos que partilham e incubação e cuidados parentais. 




De lá seguimos até a colônia de elefantes marinhos que já havíamos visitado no ano de 2010, mas desta vez, talvez por ser maré alta, tinha poucos animais na praia.


A fêmea desta espécie pode chegar a 3,5m e o macho a 6,5m, pesando quase 6 toneladas!!! Os elefantes marinhos passam cerca de 80% de sua vida dentro do mar, podendo ficar até 80min sem respirar e mergulhando a uma profundidade de até 1700m. Cada macho dominante mantém um harém e procura cobrir uma grande quantidade de fêmeas por estação, muitas vezes morrendo de exaustão por conta do esforço excessivo! 

Retornamos pela mesma rodovia (R52), indo em direção a Punta Pirâmides onde há uma loberia. No caminho encontramos um bando de guanacos. No caminho fomos surpreendidos por uma tempestade de areia que diminuiu consideravelmente a visibilidade. As estradas são todas de rípio e areia e por este motivo recomendamos cautela tanto com as condições do piso quanto com a eventuais animais na pista e a grande incidência de ventos tão comuns por estas bandas.


Já na loberia, observamos a grande movimentação de filhotes e machos dominantes defendendo seus haréns!Algumas brigas bem barulhentas também ocorrem entre eles para ver quem será o chefe do bando.



O lobo marinho nada em profundidades de até 100m e na fase adulta pode comer até 6% de seu peso por dia. Os machos adultos pesam cerca de 200kg, enquanto que as fêmeas são bem menores, atingindo um peso médio de 60kg. Eles chegam a medir1,80m e as companheiras não ultrapassam 1,5m. Eles vivem, em média, de 10 a 15 anos.  
Casal "namorando"


     Após muitas fotos, seguimos até o povoado de Puerto Pirâmides, onde os corajosos Marcos, Nati e Doug molharam as pernas... Esta localidade possui infraestrutura básica de hospedagem, alimentação, lojas e posto de combustíveis, detalhe bastante importante pois as distâncias dentro da Península Valdés são grandes. Chega-se a rodar mais de 400 km em apenas um dia dentro da península para conhecer os principais atrativos.



Praia de Puerto Pirâmides
Retornamos a Puerto Madryn ainda em tempo de tomar um banho com o Luiz - que já estava melhor - e a Edu. Nosso projeto de jantar no tenedor libre do chinês (onde comemos da última vez que estivemos por aqui -2010- cardápio variado com frutos do mar à vontade) foi frustrado, pois houve uma queda de energia geral na cidade e o restaurante em questão estava fechado, assim compramos umas pizzas, cervejas e refris e jantamos no nosso Hostel mesmo.

Quinteto coragem: a água é muito fria!!!


Todos com suas moedinhas de $100: Marcos cumprindo a promessa!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Grato por visitar o ViagemFamilia. Críticas, elogios e quaisquer comentários são desejados, desde que feitos em terminologia ética e adequada.

SE FIZER QUESTIONAMENTOS POR FAVOR DEIXE ALGUMA FORMA DE CONTATO PARA POSSIBILITAR A RESPOSTA, COMO E-MAIL, POR EXEMPLO