______________________________________

.

.

.

domingo, 13 de janeiro de 2008

De San Pedro de Atacama (Chile) a Foz do Iguaçu (Brasil)

De San Pedro de Atacama (Chile) a Foz do Iguaçu e Chapecó (Brasil)
10 a 13 de janeiro


O caminho escolhido foi o de rípio, por ser o mais belo, com a maior quantidade de lagunas e salares e por possuir um visual belíssimo.
No Salar do Atacama percorremos grandes extensões de estradas de sal, observando flamingos, lagartos e outros exemplares de fauna local. O Deserto do Atacama é conhecido como o “deserto das 7 cores”. O visual é lindo de morrer!!! Os tons se sucedem, indo do amarelo ao roxo! As lagunas altiplânicas de azul e verde esmeralda são estonteantes. A natureza é agressiva, com sol inclemente, águas salgadas e sulfurosas, ventos fortíssimos e, à noite, o frio é intenso.




As estradas são todas de terra e cascalho – rípio – e relativamente bem conservadas. Visitamos a Laguna Chaxa, reserva nacional de flamingos, Salar Atacama, Laguna Tuyaito, Salar do Talar, Laguna do Sico, Salar de Laco, entre outros. Avistam-se diversos vulcões ao longo do caminho, com seus picos nevados, destacando-se o Licancabur e o Miñiques. Ao longe, podia-se ver a nevasca se aproximando dos picos e da divisa dos países para onde estávamos indo.



Passamos a divisa entre o Chile e a Argentina após o almoço (lanche às margens de uma laguna, sob muito vento) e chegamos a Santo Antonio de Los Cobres, na Argentina, às 22h, percorrendo 500 km, aproximadamente de boas estradas de rípio.
Após o jantar, quase meia-noite, não havia vagas para nos hospedarmos, portanto a solução encontrada foi de nos alojarmos no Quartel General Belgrano, do Exército Argentino. Fomos muito bem recebido e atendidos e compartilhamos os alojamentos e instalações com os soldados. Uma experiência marcante!




Santo Antonio de Los Cobres é uma cidade muito feia, localizada a 3800 m de altitude, na encosta dos Andes. Por esse motivo, à noite houve intensa chuva granizada – chuva misturada com neve –e , no dia seguinte, encarando muito barro e pedra, pela "Quebrada do Toro", chegamos a Salta, capital da província.



Salta – é uma cidade grande e limpa, possuindo toda a infra estrutura necessária para atender ao turista e à população local. Salta é o ponto inicial para muitos aventureiros que gostam de esportes radicais e também possui o famoso Trem das Nuvens (que estava em reforma).

Daí em diante, foram 500 km de bom asfalto até a cidadezinha de Morro Queimado... péssima escolha! A cidade não possui a menor condição de receber turistas; por todo o grupo foi considerado o pior pouso/lanche/café da manhã! Acabamos alugando quartos de uma casa de família para o pernoite. Pela manhã, às 6h, já estávamos de pé, loucos para sair dali!



Passamos por Corrientes, onde almoçamos e mais 400 km percorridos, chegamos a Posadas, já perto do Brasil e onde nos separamos de nossos amigos Abutres.



Eles seguiram para o interior de Santa Catarina para visitar seus compadres e os Garças e os Maritacas seguiram em direção a Foz ,300 km a nordeste.
Chegamos no Brasil (oba!!!) às 22h30min, cansados porém muito felizes e realizados! Hospedamo-nos em grande estilo, na Rodovia das Cataratas, no Hotel San Juan. Afinal, todos merecíamos um pouco de conforto depois de 12 000 km rodados, em 23 dias, por 5 países.



Até a próxima Viagem em Família!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Grato por visitar o ViagemFamilia. Críticas, elogios e quaisquer comentários são desejados, desde que feitos em terminologia ética e adequada.

SE FIZER QUESTIONAMENTOS POR FAVOR DEIXE ALGUMA FORMA DE CONTATO PARA POSSIBILITAR A RESPOSTA, COMO E-MAIL, POR EXEMPLO